Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pipa para os amigos

“I like my money right where I can see it: hanging in my closet.” — Carrie Bradshaw

Pipa para os amigos

“I like my money right where I can see it: hanging in my closet.” — Carrie Bradshaw

22
Nov18

Um pesadelo chamado tese de mestrado

Pipa para os amigos

Já à muito tempo que queria trazer este tema aqui para o blog, mas sinceramente, sempre preferi esperar um pouco antes de o trazer por vários motivos. No entanto, acho que chega de mostrar que está tudo bem quando na verdade está tudo mal...

A verdade é que me encontro a finalizar a minha tese de mestrado e tenho a dizer que está a ser o pesadelo mais longo da minha vida. É um facto que adoro esta área e que me imagino a fazer disto a minha vida profissional (não posso dizer durante muitos anos, porque a verdade é que esta área dá cabo de nós a nível físico porque exige que estejamos muito tempo em posições terríveis), mas a verdade é que este processo da tese tem sido horrível, e peço desde já desculpa a quem está a iniciar esse processo ao vir aqui falar deste tema, mas o meu objetivo não é meter medo mas sim alertar. Aliás o meu objetivo é falar da minha experiência enquanto estudante e finalista.

Para começar, a escolha do tema foi algo complicado. Eu sabia perfeitamente o que queria mas a verdade é que igual ao meu tema existe um mundo! Quem vem para este área quer ser o mais abrangente possível e portanto na maioria das vezes acabamos por escolher temas iguais o que muda é a amostra. A minha orientadora sempre disse que a roda já tinha sido inventada e que tínhamos que ser originais, mas na realidade, o tema em si de original tem pouco. No entanto, para aquilo que eu quero fazer no futuro é o que me dá uma bagagem mais completa, isso não tenho a menor dúvida. Até aqui tudo muito bem, o pior foi durante este ano que passou que me senti completamente "sozinha", para ser sincera senti-me mais que isso, senti-me abandonada por parte de quem deveria apoiar-me e ajudar-me nesta etapa e claro que não me refiro aos meus familiares e amigos mas sim corpo docente da minha faculdade. 

Sempre ouvi falar super bem da Universidade de Coimbra e respeito quem gosta, a questão aqui é que se eu enquanto aluna/cliente de uma universidade quero e exijo um bom trabalho por parte dos serviços académicos assim como da pessoa que escolhi para me acompanhar. Claro que foi uma escolha minha, mas se fiz essa escolha foi porque acreditei que estava a fazer a melhor de todas, mas o que aconteceu foi que fiz a pior e quando me apercebi já era tarde demais.

Podendo ter entregue na altura normal a minha dissertação, não me foi possível, porque a minha orientadora foi de férias (tem todo o direito a elas e isso nem sequer é posto em questão) não tendo corrigido tudo o que enviei a tempo. Ora, muitos de vocês devem estar a pensar:

Onde é que isso te prejudicou?

Prejudicou em muita coisa, já tinha data de defesa marcada e não pude comparecer porque aquilo que tinha enviado não tinha sido corrigido não tendo a autorização para entregar a minha dissertação, fez com que tivesse de me inscrever no novo ano letivo para conseguir assim entregar a tese e mais que isso, obrigou-me a pagar mais um ano de propinas, podendo ter sido tudo evitado.

Sinto-me revoltada, mas acima de tudo cansada e saturada desta tese. Confesso que só de pensar que tenho que a acabar fico doente e a vontade é nula, mas se à coisa que tenho muito orgulho e que me deixa de consciência tranquila é saber que tenho feito tudo o que posso e consigo para acabar a tempo e horas. 

Não quero por culpas em A, B ou C, mas gostava sim, que quem está como orientador percebesse que se não conseguem fazer um bom trabalho enquanto orientadores, pelas variadas coisas, como ter orientandos a mais ou até mesmo trabalho a mais, NÃO ACEITEM. Eu sei que é difícil dizer não, mas também é muito aborrecido quem é orientando não ter respostas durante imenso tempo e quando as tem são daquelas que desmotivam e que dão vontade de mandar isto tudo à fava. 

Em jeito de conclusão, este post  é  sem dúvida um desabafo de alguém que está farto e que já não sabe mais o que fazer. Nunca baixando os braços, isso nunca, mas a entrar num limite extremo de saturação. Como tal, se te encontras a fazer mestrado aconselho a fazeres muito trabalho de pesquisa mas acima de tudo a escolheres as pessoas certas para te ajudarem nesta caminhada que não é fácil mas que tenho a certeza que no final se esquece tudo.

dissertations-text-image.jpg

 

Com amor, 

Pipa

 

18
Set18

Como ter a fotografia perfeita com uma câmara de telemóvel

Pipa para os amigos

Sei que todos os dias somos invadidos nos nossos feeds de Instagram e Facebook por fotos perfeitas. Vidas perfeitas, com pequenos almoços que me fazem corar de inveja, cores vivas e um setting de filme. Claro que na realidade não é bem assim: as vidas que vemos não são perfeitas e é apenas uma ilusão de óptica graças à subtil arte da fotografia.

 

Nestes últimos tempos, tenho vindo a ler mais sobre fotografia e como tirar a fotografia perfeita. A maioria das coisas que leio são excessivamente técnicas - falam da objectiva, da abertura da lente, do ISO, dos modelos de máquinas fotográficas - coisas que não se aplicam ao comum dos mortais, que usa só a câmara do telemóvel (embora alguns telemóveis permitam ajustar estes aspectos).

GettyImages-481628378.jpg

 Legenda: Há anos que os fotógrafos falam da “luz de Lisboa”: somos uma das capitais Europeias com mais horas de sol.

 

Mas se há uma coisa que as boas fotografias têm em comum, sejam de câmara profissional ou de telemóvel, é a luz. Não é só porque há algo de romântico na luz do Sol a entrar pela janela ou a bater na piscina. Aparentemente, ter mais luz também favorece as fotografias tiradas com as lentes de pouca abertura (muitos telefones têm lentes com uma abertura pequena, o que deixa entrar menos luz). Fotografia escura, portanto, não rola.

 

Outra dica muito importante para ter fotos nítidas é estabilizar o telefone. Nunca vos apareceu nenhuma mensagem a dizer algo género? É verdade: uma fotografia tirada com telemóvel mas com a ajuda de um tripé pode parecer quase profissional. Há uns tripés pequeninos que cabem em qualquer carteira e que são discretos (podem pousar em cima de uma mesa, por exemplo) e ninguém vos vai olhar de lado. Encontrei um à venda na FNAC mas também já vi em lojas dos chineses.

 

Finalmente, o segredo está nos detalhes. As fotografias que mais gosto de ver no Instagram focam-se sempre nos pormenores, coisas em que até podia não ter reparado se alguém não as fotografasse. Seja um pormenor de amoras brancas em cima da taça do açaí, seja uma esquina perdida em Lisboa que nunca tinha visto antes, a beleza da fotografia é mostrar-nos todas essas perspectivas.

 

Se fotografar com o telemóvel não vos satisfaz, sugiro que marquem uma sessão de fotos com um profissional de fotografia em Lisboa.
Link: https://www.fixando.pt/11/Lisboa/1091/sessao-fotografica

Com amor, 

Pipa

10
Set18

Quadrados de Limão

Pipa para os amigos

Ingredientes:

Base

  • 2 chávenas de farinha sem fermento
  • 1/2 chávena de açúcar
  • q.b. sal
  • 200 gr de manteiga

Cobertura

  • 2 limões (raspa e sumo)
  • 1 chávena de açúcar
  • 4 ovos
  • 3 colheres sopa de farinha sem fermento
  • 1 colher chá de fermento
  • q.b. sal
  • q.b. açúcar em pó (polvilhar)

Modo de preparação:

Comece pela base, junte todos os ingredientes no processador e processe, junte a manteiga em cubinhos e volte a processar até ficar uma massa areada. Deite numa forma untada e com papel vegetal, calque bem, e leve a base ao forno pré-aquecido nos 180ºC durante 20 minutos.

Faça cobertura de limão. Coloque as raspas e o sumo de limão numa taça, o açúcar, a farinha e o fermento em pó e uma pitada de sal, envolva bem e junte os ovos e misture novamente. Deite sobre a base e leve a cozer mais 20 minutos. Passado esse tempo desenforme, corte em quadrados e polvilhe com açúcar em pó.

IMG_7776.jpg

IMG_7781.jpg

Com amor,

Pipa

 

 

14
Jun18

Colóquio: Representações da Infância: dinâmicas e transversalidades

Pipa para os amigos

APRESENTAÇÃO

O Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) e o Instituto de Estudos Medievais (IEM), organizam o Colóquio “Representações da Infância: Dinâmicas e Transversalidades”, a decorrer no dia 8 de junho na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA FCSH).

O conceito de criança está intimamente relacionado com práticas e construções teóricas intrínsecas a diferentes contextos socioculturais. Neste sentido, a infância é entendida como um processo dinâmico e fluido que se movimenta entre aspectos biológicos e socioculturais, com variações substanciais, no tempo e no espaço.

Pretende-se com este colóquio, abordar a infância numa perspectiva cronológica e cultural, de uma forma multidisciplinar, ancorada nas mais diferentes áreas, como a história, a arqueologia, a etnografia e a bioantropologia, por forma a explorar os conceitos de infância e criança.

Foto de Instituto de Estudos Medievais.

PROGRAMA

10h00 | Recepção

10h20 | Abertura

10h40 | Francisca Magano (UNICEF)

“Os direitos da criança e o desenvolvimento sustentável”

11h00 | Cláudia Favarato (CEAF-ISCSP)

“Esta criança não é um ser humano”

11h40 | Pausa café

12h00 | Francisca Alves Cardoso (CRIA-NOVA FCSH)

“Atingir a maturidade: implicações interpretativas”

12h40 | Sílvia Casimiro (IEM, CRIA-NOVA FCSH)

“A criança como barómetro social e biológico das comunidades do passado: arqueologia e práticas e politicas culturais”

13h20 | Discussão

13h40 | Almoço

15h00 | Susana Martinho (Hospital CUF Cascais)

“O fenómeno de ser Criança hoje”

15h40 | Ricardo Cordeiro (CIES-IUL)

“A assistência alimentar à infância. Dinâmicas, Práticas e Representações na Lisboa da segunda metade de oitocentos”

16h20 | Vera Gonçalves (NOVA FCSH)

“A criança na Mesopotâmia: o papel do filho na perpetuação da memória familiar”

17h00 | Discussão

 

Formulário de inscrição:
https://goo.gl/forms/QtpiTO3cRXofk7DA3

 

Mais informações: bioarq.infancia@fcsh.unl.pt

 

ORGANIZAÇÃO

Sílvia Casimiro (IEM, CRIA-NOVA FCSH)
Francisca Alves-Cardoso (CRIA-NOVA FCSH)
CRIA-Centro em Rede de Investigação em Antropologia
Instituto de Estudos Medievais

Com amor,

Pipa

13
Jun18

Vida de crescidos

Pipa para os amigos

Quando era pequena sempre soube que aquela era a idade ideal. Sem preocupações, comia, dormia, brincava e via os filmes da Disney enquanto bebia o meu tão adorado leite com mel. Acho que as maiores preocupações que tinha era tentar acordar cedo para ver os meus desenhos animados preferidos e pensar em novas brincadeiras. Lembro-me das minhas amigas, de infantário/escola primária, falarem do quanto queriam crescer (sabe-se lá o porquê daquelas ideias), mas eu não, acho que inconscientemente tinha a noção do trabalho que dava ser adulto.

A verdade é que estou quase nos 25 anos e se me perguntarem se me sinto adulta a verdade é que a resposta é um não. E porquê? 

1º porque ainda estudo; e

2º porque não estou preparada para voar.

Agora vem a parte confusa desta história toda, por outro lado estou desejosa de ter a minha independência a 100%, de voar para longe do ninho, de crescer mais e mais e de concretizar todos aqueles sonhos que tantas vezes me passam pela cabeça.

A verdade é que nos dias que correm somos adultos cada vez mais tarde, acabámos por nos moldar ao mundo actual. Não estamos preparados para lidar com finanças, IRS, IMI, seguros de vida, seguro contra todos os riscos e mais uma data deles que nem me atrevo a referir porque são imensos, contas da água, gás, luz... Enfim coisas que estamos habituados a ver os "adultos", que por acaso são os nossos pais, avós, tios ou então aqueles primos crescidos a fazer. Se há coisa que acho que faz uma falta desgraçada, é preparem-nos para a vida dos crescidos, estamos habituados a que as escolas, faculdades etc nos ensinem tanta coisa mas depois estas responsabilidades que mais tarde ou mais cedo vamos ter de lidar (e que não há como fugir), ninguém nos ensina. Grande lacuna não?

Vida de crescidos é difícil, e agora dou o valor, porque cada vez estou mais crescida! Mas tenho de confessar, que as saudades são tantas daquelas manhãs com o pijama vestido, a ver desenhos animados e a tentar perceber o que a bruxa das 3 irmãs ia aprontar naquele episódio. 

Será que estou a entrar na crise dos 25? Será que o pano está a cair porque começo a perceber que o fim da "adolescência tardia" está próximo? Serei só eu que penso nestas coisas? 

Tantas perguntas e tão poucas respostas...

 

184645_205373249476683_6026930_n.jpg

Com amor,

Pipa

 

 

14
Mai18

Éclairs com creme de pasteleiro e morangos

Pipa para os amigos

Pastelaria francesa, quem não gosta? Hoje trago-vos uma receita que nos transporta diretamente para uma rua em Paris, enquanto apreciamos este pedaço do céu!

 

Ingredientes:

Massa Choux

200 ml de água

100 gr de manteiga

100 gr de farinha

1 pitada de sal

1 colher de sobremesa de açúcar

3 ovos

 

Creme de pasteleiro

400 ml de leite

1 vagem de baunilha (sementes)

100 gr de açúcar

25 gr de farinha

8 gr de maizena

2 ovos

1 pitada de sal

 

Cobertura de chocolate

50 gr de chocolate com 70% de cacau

30 gr de manteiga

1 colher de sopa de água

 

Modo de preparação:

Massa Choux

Coloque a água com a manteiga num tacho e deixe ferver. Retire do fogo. Deite, de uma só vez, a farinha com o sal e o açúcar na água quente e mexa com a colher de pau, até desprender das laterais. Volte a levar ao calor, em lume brando sempre a mexer durante 1 ou 2 minutos para cozinhar bem a farinha e retirar alguma humidade.

Transfira para uma taça limpa e deixe repousar 10 minutos. Mexa com a colher de pau até arrefecer completamente, ou quase. (Pode fazer este processo na batedeira com a raquete).

Ligue o forno a 170ºC.

Agora sim, na batedeira ou à mão, junte os ovos 1 a 1 e bata muito bem antes de cada adição. A massa deverá ficar homogénea, e cair da colher quando a levantamos.

Num tabuleiro grande de ir ao forno, forre com papel vegetal. Coloque a massa num saco pasteleiro com a boquilha larga e lisa e faça os éclairs com cerca de 10/12cm cada um. Leve a cozer durante 40min, sem nunca abrir a porta!

Desligue o forno, e deixe a porta entreaberta até secarem mais um pouco. Deixe arrefecer antes de cortar e rechear.

 

Creme Pasteleiro

Enquanto coze os éclairs, comece a fazer o creme pasteleiro, pois vai ter de arrefecer antes de rechear.

Leve o leite a ferver com as sementes da vagem de baunilha. Numa taça à parte, junte todos os outros ingredientes e mexa (não muito) com uma vara de arames até ficar uma pasta.

Quando o leite ferver, junte aos poucos ao preparado dos ovos, (as primeiras adições servem para temperar a mistura sem cozer os ovos) depois pode colocar o resto.

Leve novamente ao lume até engrossar ligeiramente. Retire e tape com película aderente, mesmo colocado ao creme.
Quando arrefecer o creme irá ficar mais espesso e terá engrossado ainda mais, pois isso não deixe engrossar demasiado ao lume.

 

Cobertura de Chocolate

Depois de tudo pronto e devidamente arrefecido, podemos finalmente fazer a cobertura de chocolate.

Basta levar o chocolate a derreter em banho-maria, com a manteiga e a água.

Abra os éclairs com uma faca de serra. Com um saco pasteleiro ou uma colher de sobremesa coloque o creme pasteleiro e alguns morangos (opcional). Barre a parte de cima do éclair com o chocolate derretido.

Sirva bem fresquinho, ou então coma-os mesmo assim!

32420285_2425379730809346_2888671840807419904_n.jp

 

Com amor,

Pipa

 

29
Abr18

Brownie de chocolate

Pipa para os amigos

Brownie de chocolate quem não gosta? Acabadinho de sair do forno com uma bola de gelado é puro prazer!

Quem me conhece sabe que sou uma apaixonada por chocolate, principalmente chocolate preto. Adoro chocolate preto, não só pelo sabor mas principalmente porque me deixa satisfeita quando estou com aqueles picos de vontade de ingerir algo doce. Como tal, e sendo eu uma viciada em chocolate, fazia todo o sentido trazer esta receita que tenho feito inúmeras vezes.

 

Ingredientes:

200gr de chocolate meio amargo

2 ovos

180gr de manteiga

250gr de açúcar (por norma corto quase 100gr e fica delicioso na mesma)

90gr de farinha

30gr de cacau em pó (utilizo o da Pantagruel)

Sal q.b.

 

Modo de preparação:

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Derreter a metade do chocolate em banho maria e juntar a manteiga enquanto o chocolate derrete. Adicionar o açúcar e os ovos e misturar bem. Acrescentar a farinha, o cacau em pó e umas pedrinhas de sal, ambos peneirados. Pôr o preparado num tabuleiro forrado com papel vegetal e com o restante chocolate acrescentar à massa. Por fim, levar ao forno por 25 minutos.

 

IMG_5466.JPG

 Se experimetarem esta receita divinal partilhem comigo o resultado e se gostaram ou não!

 

Com amor,

Pipa

 

14
Abr18

Gelado saudável e caseiro

Pipa para os amigos

Quem é que não gosta de gelado? Eu AMO gelado, seja no verão ou no inverno, sou sem dúvida uma grande apreciadora de gelado! E como estou a tentar largar os açúcares refinados (não está fácil malta, o açúcar é mesmo uma droga difícil de se largar, mas vou conseguir!) trago-vos uma receita tão fácil de se fazer e tão saborosa que não vão querer outra coisa!

 

Ingredientes:

Fruta congelada - Eu usei 1 banana e 3 morangos congelados

1 iogurte natural (sem adição de açucares)

Mix de sementes para terem algo crocante

Modo de preparação:

Numa liquidificadora metem a fruta congelada e o iogurte e trituram até ficar com um aspeto de gelado e terem um preparado homogéneo, depois é meter numa taça e por cima do gelado umas sementes (como está gelado as sementes ficam super crocantes).

Outra opção que podem fazer é:

1 banana congelada

1 iogurte natural

2 colheres de chá de manteiga de amendoim 

Triturar tudo até ficar homogéneo e já está.

 

Fácil não é?

Sabor delicioso e saudável!!!

 

 

Sem Título.png

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IMG_5006.JPG

 

 

Com amor,

Pipa

 

 

 

18
Mar18

Que a felicidade vire rotina

Pipa para os amigos

   Acho que todos nós concordamos que a rotina é aborrecida e que por vezes destrói muita coisa. Acho que todos nós já sentimos que a nossa vida estava a ficar muito rotineira. Claro que por vezes isso até é bom, temos um propósito para nos levantar da cama, nem que seja ir trabalhar. Mas se há coisa que odeio é a rotina, e ultimamente sinto que a minha vida não passa disso mesmo. Durante a semana, acordo, vou para a laboratório depois ao final do dia volto para casa e no dia a seguir faço exatamente a mesma coisa. Acho que por isso mesmo, quando surge uma oportunidade de fazer algo diferente, estar com amigos, ir jantar fora ou simplesmente ir dar uma volta e apenas observar o que me rodeia, faz com que perceba que está tudo no caminho certo e tento aproveitar ao máximo esses momentos. Sinto-me uma felizarda por fazer o que gosto, por ter ótimos amigos que me apoiam independentemente das minhas decisões, por ter a oportunidade de fazer parte de tanta coisa (apesar de nem sempre ser fácil conciliar o tempo).

 

   Antigamente considerava-me uma pessoa um pouco pessimista, e claro que como qualquer mortal, tenho os meus momentos de pessimismo. Mas houve uma pessoa que sempre me disse que "pensamentos positivos atraem coisas positivas", adotei essa frase como o meu lema de vida. Se pensarmos que vai tudo correr bem, se lutarmos para que tudo corra bem existe uma grande probabilidade de as coisas serem como idealizámos. Basta fazermos por isso!

 

   Ontem descobri o meu primeiro cabelo branco, imaginem o drama, felizmente está camuflado no meio dos meus queridos cabelos loiros. No entanto, houve um pequeno clique na minha cabeça. Sinto que ainda quero fazer tanta mas tanta coisa, mas que ultimamente estou numa luta contra o tempo. Quero muito ir fazer voluntariado noutro país, quero muito viajar, quero muito ser amada, sentir-me concretizada, ser mãe, trabalhar no que gosto e fazer parte de projetos que me preencham enquanto pessoa e enquanto profissional. Agora um sonho um bocado mais difícil mas se é para sonhar que seja em grande, gostava muito de ir ao espaço talvez ia à lua, imaginem o titulo para um post futuro:

"Um pequeno passo para a humanidade mas um grande passo para a Pipa".

IMG_1731.JPG

 

   Infelizmente, muitos de nós tem medo da mudança, medo que a mudança estrague tudo chegando a viver infelizes. Mas mudar é bom, não importa o que os outros pensam, se achas que precisas de mudar, se achas que vais ser feliz, se achas que é para teu beneficio, muda! Já disse isto num post anterior, mas nós não temos de ser aquele estereótipo de pessoa, que tira um curso superior, vai trabalhar na área, casa, tem filhos e não passa disso.

 

   Não sei se conhecem a regra da física da procura mas é mais ou menos isto:

É uma força da natureza governada por leis tão reais quanto a lei da gravidade. A regra da física da procura baseia-se em: se tiveres coragem de largar tudo o que te é familiar e confortante, pode ser a tua casa ou arrependimentos, e sair em busca pela verdade, seja ela externa ou interna. Se considerares uma dica tudo o que acontecer na jornada e aceitares todos os que conheces como um professor, e se estiveres preparada para enfrentar e perdoar realidades difíceis sobre ti mesma, a verdade não será retida de ti.”

   As pessoas têm muito medo o que é que os outros vão pensar delas por fazerem escolhas diferentes das estipuladas pela lei dos homens. Mas se te faz feliz, força! 

   Pensa em ti e não no que os outros vão dizer, pensa que se te faz feliz é porque vai valer a pena, pensa que se é importante para ti não percas essa oportunidade, que a vida são dois dias e que estás a desperdiçar muita coisa por pensares de mais e agires de menos.

   Às vezes perder o equilíbrio por amor faz parte de viver a vida em equilíbrio... seja que amor for. Nunca te esqueças disso!

Com amor,

Pipa

 

 

 

13
Mar18

Granola de frutos secos

Pipa para os amigos

Quem me conhece, sabe que para mim o pequeno almoço é das refeições que mais aprecio. Como tal, tem de ser super saborosa, nada enfadonha e saudável.

Hoje trago-vos mais uma receita de granola, desta vez só tem 3 ingredientes, mas é igualmente saborosa, super fácil e muito mas muito rápida!

Vamos lá passar à receita.

 

Ingredientes:

  • 2 copos de aveia
  • 1 copo de avelãs
  • 1/2 de amêndoas
  • 1/2 mel
  • 4 colheres de sopa de óleo de côcô derretido

Modo de preparação:

Misturar tudo e juntar 1/2 copo de mel e as 4 colheres de sopa de óleo de côco derretido (mexer bem). Por o preparado anterior num tabuleiro forrado com papel vegetal, e levar ao forno a 180 graus por uns 20 minutos (mexer sempre que virem que está a ficar dourado). Tirar do forno, deixar arrefecer e está feito!

 

29133407_2328307597183227_8035882273217708032_n.jp

Espero que gostem e se experimentarem partilhem!

Com amor,

Pipa

 

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Telemóveis semi-novos

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D